Origem e significado dos nomes dos Estados e Capitais do Brasil


A língua geral ou nheengatu, além do Tupi era composto e interligado por dialetos tribais diversos (tupiniquim, tupinambá, tupinaé, tabajara, etc.) formava um único linguajar autóctone, de norte a sul da colônia portuguesa. Era falado por todos, nas casas e nas ruas, nas escolas e nas igrejas. Usavam-no o índio como o branco, o mulato e o negro recém-chegado. Foi chamado por eminentes gramáticos da época, "a língua mais falada na costa do Brasil", e classificado por doutos lingüistas (Anchieta, Figueira, Montoya) como "fácil, suave, elegante e copiosa". Era a língua geral, a língua do Brasil.

A língua geral foi usada correntemente pelos brasileiros de origem ibérica, como língua de conversação cotidiana, até o século 18, quando foi proibida pelo rei de Portugal. Mesmo assim continuou sendo falada no interior. Há algum tempo a Câmara de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, bem na fronteira, aprovou lei que reconhece o nheengatu como língua oficial, junto com o português (e o espanhol), pois sua população fala as três línguas.

ESTADOS

Acre: vem de áquiri, touca de penas usada pelos índios munducurus.

Alagoas: o nome é derivado dos numerosos lagos e rios que caracterizam o litoral alagoano.

Amapá: Na língua tupi, o nome “amapá” significa 'o lugar da chuva' :ama (chuva) e paba(lugar, estância, morada). Segundo a tradição, porém, o nome teria vindo do nheengatu -língua geral da Amazônia, uma espécie de dialeto tupi jesuítico – significando “terra que acaba” ou “ilha”.

Amazonas: nome de mulheres guerreiras que teriam sido vistas pelo espanhol Orellana ao desbravar o rio. Para Lokotsch, vem de amasuru, que significa águias retumbantes.


Bahia: o nome foi dado pelos descobridores em função de sua grande enseada.

Ceará: vem de siará, canto da jandaia, uma espécie de papagaio.

Espírito Santo: denominação dada pelo donatário Vasco Fernandes Coutinho que ali desembarcou em 1535, num domingo dedicado ao Espírito Santo.

Goiás: do tupi, gwa ya, nome dos índios guaiás, gente semelhante, igual.

Maranhão: Do tupi, mba’ra, mar, e nã, corrente, rio que semelha o mar, primeiro nome dado ao rio Amazonas.

Mato Grosso: o nome designa uma região com margens cobertas de espessas florestas, segundo antigos documentos.
Mato Grosso do Sul: Criado com a divisão do estado.

Minas Gerais: o nome deve-se às muitas minas de ouro espalhadas por quase todo o estado.

Pará: do tupi, pa’ra, que significa mar, designação do braço direito do Amazonas, engrossado pelas águas do Tocantins.

Paraíba: do tupi, pa’ra, rio, e a’iba, ruim, impraticável.

Paraná: do guarani pa’ra, mar, e nã, semelhante, rio grande, semelhante ao mar.

Pernambuco: do tupi, para’nã, rio caudaloso, e pu’ka, gerúndio de pug., rebentar, estourar. Relativo ao furo ou entrada formado pela junção dos rios Beberibe e Capibaribe

Piauí: do tupi, pi’au, piau, nome genérico de vários peixes nordestinos. Piauí é o rio dos piaus.

Rio de Janeiro: o nome deve-se a um equívoco: Martim Afonso de Souza descobriu a enseada a 1º de janeiro de 1532 e a confundiu com um grande rio.


Rio Grande do Norte: derivado do rio Potengi, em oposição a algum rio pequeno, próximo, ou ao estado do Sul.

Rio Grande do Sul: primeiramente conhecido como Rio Grande de São Pedro. A Barra do Rio Grande de São Pedro, foi um ponto geográfico estratégico para a fixação do domínio lusitano no sul do país. Local ideal para que lá se instalasse um reduto militar com acesso marítimo ao interior pelo canal Rio Grande que liga a lagoa dos Patos ao oceano.

Rondônia: o nome do estado é uma homenagem ao marechal Rondon.

Santa Catarina: nome dado por Francisco Dias Velho a uma igreja construída no local sob a invocação daquela santa.

São Paulo: denominação da igreja construída ali, pelos jesuítas, em 1554 e inaugurada a 25 de janeiro, dia da conversão do santo.

Sergipe: do tupi, si’ri ü pe, no rio dos siris, primitivo nome do rio junto à barra da capitania.

Tocantins: nome de tribo indígena que habitou as margens do rio. É palavra tupi que significa bico de tucano.



CAPITAIS

Brasília - É a forma latina de dizer 'Brasil'. Nome sugerido por José Bonifácio de Andrada e Silva para a criação da nova capital no centro do território, ainda na década de 1820.

Aracaju (Sergipe) – Origem da ligação dos termos tupis ara ("luz") + caju ("caído"), resultando em "luz caída" ou "luz baixa", referência ao local de onde se avista o nascer do sol na cidade. Belém (Pará) – O nome  é uma homenagem à cidade de Belém na Palestina, onde teria nascido Jesus Cristo.

Belo Horizonte (Minas Gerais) – Surgimento em referência à vista das montanhas Alterosas, que são marcas registradas da cidade.

Boa Vista (Roraima) - Referência à ótima visão panorâmica que se pode ter do alto da serra do estado.

Campo Grande (Mato Grosso do Sul) – Se refere aos campos enormes que existem no território.

Cuiabá (Mato Grosso) – Existem duas possíveis explicações distintas e conflitantes sobre o significado deste nome, que pode ser "homem que faz farinha" ou "lugar onde se pesca". É desconhecido também, de língua indígena derivam.

Curitiba (Paraná) – Vem do tupi curi ("pinheiro") + tiba ("muitos"), resultando em "muitos pinheiros", "campo dos pinheiros" ou "pinheiral", em referência à abundância de araucárias na região.


Florianópolis (Santa Catarina) – União de "Floriano" e pólis ("cidade" em grego); o nome é uma homenagem a Floriano Peixoto, que derrotou em 1893 a Revolta da Armada, no Rio de Janeiro e em Santa Catarina. 

O nome original da cidade era Nossa Senhora do Desterro, devido ao fato de ser ali um lugar para onde eram enviados desterrados (exilados) portugueses. A troca de nome foi feita por interventores governistas exaltados com a intenção de bajular o presidente da época.

Fortaleza (Ceará) - Referência à Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção.

Goiânia (Goiás) - criado a partir do nome do estado do qual é capital; Goiânia é uma cidade nova e planejada, e substituiu a cidade velha de Goiás como capital em 1937.

João Pessoa (Paraíba) - em homenagem ao governador paraibano assassinado em 1930, em episódio que serviu de pretexto para eclodir a revolução daquele ano. O nome da cidade até então era também Paraíba.

Macapá (Amapá) - Do tupi mpacapa ("bacaba", uma fruta de palmeira) + aba (sufixo de lugar), que significa "lugar das bacabas", fruta típica da região.

Maceió (Alagoas) – União de macá ("o que cobre") + i-ó ("molhado"), "cobertura sobre o molhado", em referência ao fato de a cidade se estender sobre terrenos alagadiços (tal como a origem do nome do estado, Alagoas).

Manaus (Amazonas) - dos manaós, uma tribo da região dos rios Negro e Solimões; a grafia antiga da cidade preservava o "O" e acentuava a vogal precedente: "Manáos".

Natal (Rio Grande do Norte) - Por ter sido fundada no dia de Natal. A fortaleza que guarda a cidade recebe o nome de Forte dos Reis Magos. Os portugueses já haviam dado o mesmo nome a uma cidade que fundaram na África do Sul, atualmente rebatizada como Durban.

Palmas (Tocantins) - o nome da cidade é uma homenagem à cidade de São João da Palma (atual Paranã), onde no século XIX houve um movimento que almejava tornar o norte de Goiás uma província autônoma.

Porto Alegre (Rio Grande do Sul) – Referência ao clima alegre do povo local. O antigo nome da cidade era Porto dos Casais, por receber colonização com casais de açorianos (diferentemente do resto do país, colonizado só por homens que procriavam com as mulheres indígenas).


Porto Velho (Rondônia) – O nome foi escolhido pela cidade ser o local de ancoradouro mais antigo da região.

Recife (Pernambuco) – Referência aos arrecifes que existem no litoral da cidade.

Rio Branco (Acre) - Homenagem ao Barão do Rio Branco.

Rio de Janeiro – Cidade nomeada por ter sido descoberta no dia 1º de janeiro de 1502 por Américo Vespúcio, e por julgar-se que a baía da Guanabara fosse a foz de um rio. Na geografia da época, os portugueses não distinguiam estuários de baías, além de estarem acostumados ao formato da baía do Tejo em Lisboa, que se assemelha ao da Guanabara.

Salvador (Bahia) - Referência a um dos nomes cristãos-católicos de Deus; o nome inteiro da cidade era "Mui Leal Cidade de São Salvador da Bahia de Todos os Santos". Em inglês, é comum que a cidade seja chamada Salvador de Bahia para não confundir com SanSalvador, capital de El Salvador, na América Central.

São Luís (Maranhão) - Homenagem tanto a São Luís (santo que foi rei francês e lutou nas cruzadas) quanto ao então rei de França, Luís XIII, na época em que os franceses fundaram a cidade (como França Equinocial, por situar-se perto do equinócio ou linha do equador).

São Paulo – Foi assim batizada pelo colégio (monastério) jesuíta de São Paulo de Piratininga. Durante os primeiros três séculos, a cidade era conhecida como Piratininga — que por sua vez deriva de pirá (peixe) + tininga (seco), de onde "peixe seco", em referência ao rio Tietê — e à capitania de São Paulo.

Teresina (Piauí) - Homenagem à imperatriz Teresa Cristina, esposa de D. Pedro II.

Vitória (Espírito Santo) - Referência à resistência dos colonizadores portugueses contra as investidas dos temiminós e tupinambás contra as primeiras tentativas de povoamento.


Postar um comentário
Assinar: Postar comentários (Atom)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...