Marilyn Monroe: os mistérios da sua morte


Na manhã de 5 de agosto de 1962, aos 36 anos, Marilyn Monroe faleceu enquanto dormia em sua casa em Brentwood, na Califórnia.

A notícia foi um choque, propagada pela mídia, explorando sobretudo o caráter misterioso em que o fato se deu, prevalecendo a versão oficial de overdose pela ingestão de barbitúricos. O brilho e a beleza de Marilyn faziam parecer impossível que ela tivesse deixado a todos.

Ninguém sabe de fato o que aconteceu naquela noite. Ouviu-se o barulho de um helicóptero.

Uma ambulância foi vista esperando fora da casa dela antes que a empregada desse o alarme. As gravações de seus telefonemas e outras evidências desapareceram. O relatório da autópsia foi perdido. Toda a documentação do FBI sobre sua morte foi suprimida e os amigos de Marilyn que tentaram investigar o que acontecera receberam ameaças de morte. No dia 8 de agosto de 1962, o corpo de Marilyn foi velado no Corridor of Memories, nº 24, no Westwood Memorial Park em Los Angeles. Se estivesse viva, estaria com 85 anos.

Suicídio? Morte acidental? Assassinato? Afinal, quem ou o quê matou Marilyn Monroe?

Após anos de incansável trabalho, o detetive Milo Speriglio revela a trágica e aterrorizante verdade por trás da morte sinistra da inesquecível deusa do amor do cinema - uma mulher que amara homens poderosos e perigosos, que sabia de segredos escandalosos e que morreu quando jurou contar tudo.

Marilyn Monroe teve sim um caso com o Presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy (JFK) e posteriormente com seu irmão Robert F. Kennedy (RFK). Porém é importante ressaltar que o romance de Marilyn com JFK teve uma duração relativamente curta. Como ela não poderia ficar com ele, ter um relacionamento com o irmão seria uma forma de estar sempre perto do seu verdadeiro amor.

Durante o envolvimento entre Marilyn e Bob Kennedy, ele contava à ela tudo o que se passava no governo, ou seja, ela sabia de todos os "podres" do governo JFK. A princípio, não tinha noção da gravidade do e passara a saber. Os assuntos comentados por Kennedy eram segredos de estado e caso viessem à tona as consequências seriam tão catastróficas sendo que as mais "sutis" seria o afastamento imediato de John Kennedy da presidência e a descoberta de que a Casa Branca mantinha relações com a máfia e com gângsters. Sem mencionar o fato de que a CIA e o FBI sabiam desse envolvimento, e que de uma forma ou outra também estavam envolvidos com o submundo.

Em 5/08/1962, por volta das 4:35h da manhã, o Sargento Jack Clemmons do Distrito Policial De West Los Angeles recebeu uma chamada do Dr. Engelberg (médico particular de Marilyn) informando que ela estava morta. Imediatamente Clemmons foi à casa da atriz. Chegando lá, a governanta, Eunice Murray o conduziu até o quarto da estrela. No caminho, ela comentou que encontrou o corpo pouco depois da meia-noite, após ver luz saindo por debaixo da porta do quarto de dormir. Ao entrar no quarto, estavam lá Dr. Engelberg (médico particular dela) e o Dr. Greenson (psiquiatra particular). 

A expressão de Engelberg era de remorso e Greenson tinha um "sorriso amarelo e não parecia natural", segundo a descrição de Clemmons. O corpo de Marilyn estava nú, caído em diagonal sobre a cama, de barriga para baixo, com os pés enrolados num acolchoado e com o braço direito esticado segurando o telefone.



Nenhum dois dois médicos falou uma palavra sequer, um deles (Dr. Greenson) apenas apontou para a mesinha de cabeceira, a qual continha 15 vidros de remédios, sendo que um deles estava destampado, tombado e vazio. Esse gesto do Dr. Greenson significava que Marilyn tinha tomado todos os comprimidos do vidro que estava vazio.

Clemmons era famoso pela sua competência e experiência em casos de suicído. No momento em que ele pisou no quarto e observou a cena logo desconfiou que algo estava "errado". Ao contrário do que se pensa, quando há uma overdose por ingestão de pílulas como aquelas que Marilyn teria supostamente ingerido, a pessoa debate-se, cai, levanta, tem falta de ar, entra em colapso e esbarra nos móveis antes de morrer. Sendo assim o mínimo que se podia esperar era que a cama estivesse bagunçada, os vidros caídos pelo chão e pelo menos "um", um único comprimido tinha que estar caído pelo chão próximo à mesa de cabeceira. Haviam roupas meticulosamente dobradas, bolsas empilhadas na parede e o banheiro também mostrava-se muito bem organizado com seus objetos de uso pessoal da atriz.

Ao examinar o corpo, Clemmons, percebeu que este estava já bastante rígido e apresentando uma coloração característica de um cadáver que há muitas horas estivesse morto. A superfície dorsal do corpo dela (lado das costas) estava bem mais escura que a supefície ventral (lado da barriga), isto significa que ela manteve-se durante muitas de barriga para cima e não de barriga para baixo como foi "encontrada". Segundo ele e segundo à própria ciência, se uma pessoa morta permanece deitada de barriga para cima, o sangue desce (concentra-se na parte mas baixa do corpo) devido a gravidade, concentrando-se na parte das costas. Mais tarde, os agentes funerários confirmaram a suspeita de Clemmons. Segundo eles, a morte ocorreu por volta das 8:30h da noite de 04/08, e não por volta da meia noite como afirmou a governanta.

Outro fato é que não havia nenhum copo no quarto dela, então como ela teria tomado as 50 cápsulas do Nembutal (remédio que a matou)? O Dr. Engelberg afirmou que com certeza ela tinha tomado os 50 comprimidos e que mesmo que não houvesse um copo no quarto ela poderia tranquilamente ter ido ao banheiro e tomado água diretamente da torneira. Esse fato poderia ser possível, só que o detalhe é que estavam sendo feitas pequenas reformas na casa e por esse motivo não havia água no encanamento do banheiro. Então essa hipótese pode ser descartada.

Ainda se não bastasse, em plena madrugada a máquina de lavar e a secadora estavam ligadas e a governanta Murray andava de um lado para outro carregando caixas de papelão e levando-as até o carro. Aquela não era hora de "arrumar" a casa e muito menos lavar e secar roupas. Era evidente que a governanta estava escondendo alguns objetos e dando fim em provas de suma importância. Vinte anos depois do crime, Otash, um subordinado de Peter Lawford, ator e amigo íntimo de Marilyn, testemunhou dizendo que naquela noite havia recebido um telefonema de Lawford pedindo para que ele fizesse uma "limpeza" na casa da atriz para que fosse destruído qualquer objeto ou coisa suspeita que estivesse lá. Otash disse que não poderia se expor indo até a casa, mas nada o impedia de pedir a governanta que fizesse o serviço.

Tempos depois descobriu-se que a governanta era uma amiga de "longa data" do psiquiatra de Marilyn. Peter Lawford era cunhado dos Kennedy, a assessora de Marilyn era também muito chegada à família do psiquiatra. Entre outros fatos chega-se a conclusão de que Marilyn estava "cercada" por funcionários e amigos que no fundo apenas a vigiavam de uma forma ou de outra.

Devido o envolvimento dos Kennedy com gângsters, a rivalidade e o "acerto de contas" entre eles, explicaria o fato de todos os cômodos da casa de Marilyn possuírem gravadores escondidos, inclusive e principalmente o seu quarto e o seu banheiro. As linhas telefônicas também estavam grampeadas. Resumindo, Marilyn era monitorada 24 horas por dia. Qual o motivo de todo esse grampeamento? Segundo toda a investigação feita por Milo, os gângsters fizeram esse grampeamento com o intuito de gravar alguma conversa entre Marilyn e Bob Kennedy que o incriminasse.

No dia da morte de Marilyn, por volta das 4 da tarde algumas senhoras que estavam jogando cartas numa casa bem próxima à de Marilyn viram Robert Kennedy e "um homem com uma maleta de médico" entrar na casa dela. Esse homem só podia ser o médico particular ou o psiquiatra particular dela...

Naquela tarde Robert e Marilyn discutiram muito, brigaram, pois Robert que havia prometido se casar com ela de repente diz que tudo está acabado... Ela entra em desespero, grita e perde o controle. Sabe-se muito pouco sobre o que se passou, no entanto algumas gravações foram conseguidas (lembre-se que a casa de marilyn estava toda grampeada, cada cômodo, cada local...

Outro fato também é que na autópsia encontraram hematomas no corpo de Marilyn. Na casa estavam Robert, o psiquiatra, o médico e a governanta. Juntando esse fato com o que Milo Speriglio cita logo no início do livro de que quando ele chegou à casa, logo depois de ser chamado, encontrou o médico e o psiquiatra sentados em frente a cama da atriz e que a expressão do psiquiatra naquele momento era de CULPA. Pode-se dizer que foi ele quem aplicou a injeção de Nembutal líquido. Vale lembrar que naquele dia, naquele momento, foi a chance de calar Marilyn. Ela havia marcado uma coletiva com a imprensa dizendo que iria "contar tudo". Alguém acha que a maravilhosa família Kennedy, um exemplo de honestidade deixaria o mundo desmoronar e emergir todos as conexões com a máfia e a podridão da Casa Branca?

O Legista responsável pela autopsia de Marilyn, Dr. Naguchi, reconhece que a autópsia foi "incompleta". Segundo ele antes mesmo do corpo chegar ao necrotério todos já haviam fixado como causa mortis suicídio. Então todos os procedimentos da autópsia foram direcionados levando em conta suicídio. Isso porém não impediu que o Dr. Noguchi, mesmo contrariando ordens superiores, examinasse e reconhecesse que se ela tivesse se suicidado ingerindo os comprimidos oralmente, todo o trato digestivo estaria amarelo devido aos corantes que são adicionados nesse tipo de remédio. Além do que o estômago e o intestino estavam vazios e de acordo com o exame de sangue e com a análise de pedaços do fígado, o nível da substância se encontrava altíssimo no sangue e no fígado. Isso prova que a substância foi injetada diretamente na corrente sanguínea. Se ela tivesse ingerido os comprimidos a alta concentração da substância se daria em outros órgãos.

Em 1975, revelações feitas pelo Senado chocaram muitos americanos. O comitê acendeu o pavio da maior bomba ao descobrir nos arquivos da CIA o nome de uma mulher que fora simultaneamente amante do Presidente Kennedy e do chefe da Máfia, Giancana. Quando seu nome foi revelado, ela convocou entrevista coletiva com a imprensa e confirmou tudo. Admitiu ter visitado o Presidente na Casa Branca aproximadamente duas dúzias de vezes, ao tempo em que era amante de Giancana. Disse que ela e o Presidente foram apresentados em Las Vegas por Frank Sinatra e que este posteriormente a apresentara a Giancana, que, por sua vez, apresentara-a a Johnny Roselli.

Os nomes de Giancana e Roselli surgiram nas audiências, quando se descobriu um espantoso complô da CIA e da máfia para derrubar Fidel Castro. Em 1961, agentes do governo contataram Johnny Roselli, que trouxe para o negócio, Giancana, associado do chefe da máfia nos dias de Havana antes de Castro. Os Kennedys queriam derrubar o governo comunista e os gângsters queriam recuperar o controle do vício. Um negócio foi fechado. A CIA recrutou Giancana e Roselli para matarem o líder cubano.

Fonte: Baú do Edu
Pesquisas, Montagem e Edição: JF Hyppólito
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...