A vida de Amy Jade Winehouse


Assista o vídeo no final da postagem

Cantora e compositora britânica conhecida por seu poderoso vocal e sua mistura eclética de gêneros musicais, R& B, soul e jazz. Amy Winehouse nasceu em 14 de setembro de 1983, Southgate, bairro de Londres, numa família judia de quatro pessoas e de tradição musical ligada ao jazz. Desde os primeiros anos, Amy esteve em contato com o mundo musical, já que boa parte dos seus tios maternos eram músicos profissionais de jazz. Além disso, seu pai tinha o costume de cantar com ela clássicos de Frank Sinatra, tornando sua paixão pela música cada vez mais evidente. Quando criança, costumava ouvir músicos de soul, como Billie Holiday e Etta James, que exerceram fortes influências em suas criações.

Seus pais se divorciaram quando ela tinha nove anos de idade, então Amy e seu irmão ficaram sob a custódia da mãe. Na mesma idade, foi incentivada por sua avó Cynthia, que era cantora, a se matricular em uma escola de artes particular para promover a sua educação vocal. Começou então a frequentar a escola de artes Sylvia Young, no entanto, após apenas um ano, foi expulsa por indisciplina e por colocar um piercing no nariz. Mais tarde, frequentou as escolas Mill Hill, reconhecida pelo grande número de celebridades que a frequentaram (Adele, Jessie J e Leona Lewis), Southgate School e Ashmole School.


Aos dez anos de idade, fundou uma banda de rap amadora chamada Sweet 'n' Sour, as Sour. Ela descreveu a banda como The little white Jewish Salt-n-Pepa (a pequena Salt-n-Pepa judaica). Amy recebeu a sua primeira guitarra elétrica aos treze anos de idade. Ainda na adolescência, começou a consumir drogas. Aos quinze anos, compôs suas primeiras canções e tentou ajudar a sua família financeiramente, cantando em uma pequena banda de jazz local, chamada Bolshie.Começou a se apresentar em pubs de Londres e, aos dezesseis anos, gravou uma fita demo com seu amigo, o cantor de soul Tyler James, que a enviou ao diretor da Island Records.

O seu álbum de estreia, Frank, foi lançado em outubro de 2003, com as etiquetas da Island Records. O material foi gravado durante a temporada de 2002-2003.

BBC disse "O CD é liricamente fresco e intransigente. Esse é o primeiro lançamento de Amy e pressagia um bom futuro para ela. Se isso é o que a moça é capaz de fazer numa idade tão precoce, deve ser bastante certo que será o primeiro de uma longa fila de lançamentos bem elaborados, modernos e irreverentes". No The Guardian, Beccy Lindon escreveu: "Posicionado em algum lugar entre Nina Simone e Erykah Badu, o som de Amy Winehouse é ao mesmo tempo inocente e dissoluto... É difícil não ouvir a honestidade e o sentimento que ressoam neste disco.


Em julho de 2006, devido à sua drástica perda de peso, sua imagem ficou caracterizada por um penteado inspirado pela moda dos anos 1960 e sua maquiagem lembrava o visual de cantores de rock. 

Nessa mesma época, Amy também chamou a atenção da imprensa devido à sua luta para superar o vício do álcool e das drogas. Para promover o álbum, Amy Winehouse começou outra turnê europeia, entre 2006 e 2007, mas suas performances ao vivo acabaram sendo desastradas devido ao abuso de álcool e drogas. No final de 2006, Winehouse começou a usar heroína e expressou publicamente a sua recusa em ser internada em uma clínica de reabilitação, por meio da composição Rehab.A canção foi muito bem recebida pela crítica em geral, sendo considerada pela EMA a música mais influente da década de 2000-2009. A música também ganhou certificação de platina por mais de 120.000 mil cópias vendidas.

Enquanto a vida conturbada da cantora era discutida nos tabloides, canções como Rehab, You Know I'm No Good e Back to Black dominavam as paradas musicais de toda Europa. No Reino Unido, o álbum Back to Black ganhou o primeiro lugar no Top Nacional repetidamente, além disso o álbum recebeu oito discos de platina e vendeu mais de 3 milhões de cópias, sendo considerado um dos álbuns mais bem-sucedidos da história do Reino Unido. Em fevereiro de 2007, Back to Black foi nomeado e eleito álbum do ano pelo Brit Awar.

Em 10 de fevereiro de 2008, o álbum recebeu seis indicações para o 50° Grammy Awards, das quais venceu cinco: canção do ano, gravação do ano, artista revelação, melhor álbum vocal pop, melhor performance vocal pop feminina. Amy foi nomeada mais tarde no The Guinness Book of World Records como a artista britânica a vencer mais Grammys. No dia 22 de maio, Love Is a Losing Gamevenceu um prêmio Ivor Novello na categoria de "melhor composição". You Know I'm No Good recebeu uma indicação na mesma categoria e Rehab foi nomeada "canção de maior sucesso".

E, em agosto de 2011, Back to Black foi o álbum mais vendido do século XXI. 

Além disso, as vendas do disco vêm aumentando cada vez mais, sendo vendidas mais de 20 milhões de cópias em todo o mundo até 2012.Em janeiro de 2009, seu desejo de se divorciar de Blake Filder-Civil, devido a acusações de infidelidade de ambos, tornou-se público e, em 16 de julho, a separação judicial foi concretizada. Em setembro daquele ano, Amy lançou a sua própria gravadora, chamada Lioness Records, e a primeira artista que recebeu um contrato de gestão foi Dionne Bromfield, sobrinha da cantora.

No período entre 2009 e 2010, as aparições da cantora foram esporádicas: em agosto, foi convidada para se apresentar no The V Festival, para cantar You're Wondering Nowe Ghost Town com a banda The Specials; em julho de 2010, foi convidada, com Mark Ronson, para interpretar Valerie na estreia de Psychosi e, em dezembro, foi convidada de honra em uma festa em Moscovo, de um magnata russo, remunerada com 1.000.000 de libras esterlinas.

O lançamento do seu terceiro álbum de estúdio foi adiado várias vezes em 2010, no entanto a cantora foi convidada para gravar uma música para um álbum de homenagem a Quincy Jones, intitulado Q Soul Bossa Nostra. Amy optou por regravar uma canção que fez sucesso na voz de Lesley Gore, em 1963: It's My Party. O lançamento desse álbum estava marcado para o dia 9 de novembro de 2010.

Amy Winehouse em todas as suas versões no palco durante a turnê de cinco shows no Brasil. foto: cultura.estadao.com.br

Em janeiro de 2011, Amy apresentou-se para o público em uma turnê, 5 shows no Brasil.

Nessa época, a cantora afirmou não usar drogas desde o ano anterior, no entanto, em um concerto realizado em Dubai, em fevereiro, a imprensa classificou a artista com "cansada, distraída e incoerente". Em maio, Winehouse foi internada em uma clínica de reabilitação, mas o tratamento só durou uma semana.

Em junho de 2011, Winehouse começou sua turnê de verão europeia com um concerto em Belgrado, onde a mídia da Servia publicou a ocorrência de que a cantora havia subido ao palco completamente alcoolizada. Aqueles que foram ao concerto afirmaram que Amy estava tão embriagada que mal conseguia lembrar o nome do local, as letras das suas músicas e os nomes dos integrantes da sua banda Depois de ser vaiada, Amy tentou deixar o local, mas seus guarda-costas não o permitiram. Em seguida, Amy cancelou sua turnê europeia, inclusive o show que iria dar em Bucareste, no dia 15 de agosto de 2011.


A última aparição pública da cantora foi em 20 de julho de 2011, quando ela subiu ao palco para apoiar sua sobrinha, Dionne Bromfield, que realizava um show em Camden, Londres. Três dias depois, no dia 23 de julho de 2011, Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa, por causas até então desconhecidas.

Por volta das 15:54 de 23 de julho de 2011 duas ambulâncias foram chamadas para a casa de Winehouse em Camden, Londres, devido a um chamado à polícia britânica para atender uma mulher desfalecida.

Pouco tempo depois, as autoridades metropolitanas haviam confirmado a morte da cantora. Posteriormente, foi aberta uma investigação a fim de determinar a causa da morte de Amy, porém os primeiros resultados não foram conclusivos e uma análise toxicológica foi necessária.

Apenas em 26 de outubro do mesmo ano, os relatórios finais puderam indicar que a causa da morte decorreu de um consumo abusivo de álcool após um período de abstinência, que mantivera até o dia 22 do mesmo mês. Suzanne Greenaway, médica legista disse: "Ela consumiu uma quantidade muito grande de álcool, a concentração era tanta que foi 4,16 g/L de álcool no sangue, e esse alto consumo de álcool resultou em sua morte rápida e inesperada"

Fonte do vídeo abaixo: http://www.amywinehouse.com/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...