Extraterrestres existem ou não?


Dado o que sabemos sobre ETs, parece que temos outros medos bem mais imediatos para nos preocupar.

É bem verdade que, hoje, a lista de medos que afligem a sociedade é muito mais imediata que a possibili­dade de alienígenas virem aqui nos destruir. Mas muita gente, inclusive o famoso físico Stephen Haw­king, vem alertando para essa possibilidade, alegando que é melhor ficarmos quietos por aqui, sem revelar nossa posição. Será que esses temores procedem?

Apesar da popularidade do assunto e dos vários depoimentos de visões de óvnis e de sequestros realizados por extraterrestres, o fato é que nada sabemos sobre a existência de vida fora da Terra. Em seu livro O mundo assombrado por demônios, Carl Sagan, o famoso astrônomo e escritor, argumenta que os medos relativos aos ETs refletem medos antigos, antes atribuídos a demônios alados e outros espíritos maléficos vindos dos céus. Infelizmente, se houve visitas de extraterrestres à Terra, não temos evidência oficial, aceita pela comunidade científica como incontroversa. Por exemplo, alguma liga metálica que não exista aqui, ou algum tipo de circuito tão avançado que demonstre uma engenharia muito diferente da nossa. Fotos e depoimentos pessoais não funcionam como provas.

Com isso, o que podemos fazer é inferir a possibilidade de vida extraterrestre a partir do que conhecemos da vida aqui, nosso único ponto de referência. Sabemos hoje que a maioria das estrelas tem planetas a sua volta e que uma fração pequena delas tem planetas rochosos, com características semelhantes às da Terra: água líquida (planetas que estão na “zona habitável” da estrela), possivelmente carbono e oxigênio. Mas a vida não é uma receita de bolo; para que seus ingredientes se misturem da forma certa, uma série de condições tem de ser satisfeita. E, mesmo supondo que essas condições sejam reais em vários mundos, é necessária também uma estabilidade climática para que as criaturas vivas possam sobreviver e, através do processo de mutação e seleção natural, se diversificar com o tempo.


Isso significa que a vida é um fenômeno raro no cosmo – e a vida inteligente mais rara ainda, considerando que diversas barreiras precisam ser ultrapassadas para se passar de bactérias a seres capazes de criar tecnologias e ler revistas.

Fora a raridade da vida, temos a questão das dificuldades técnicas das viagens interestelares. As distâncias são enormes. Chegar até a estrela mais próxima do Sol com nosso foguete mais rápido demoraria em torno de 100 mil anos! Se os ETs existem e podem realizar viagens interestelares em tempo viável, devem ter tecnologias que sequer podemos imaginar. Essas tecnologias devem também protegê-los da radiação cósmica, extremamente nociva aos humanos. Há por fim a questão dos efeitos de viagens prolongadas no metabolismo, estrutura óssea e sistema psíquico dos exploradores.

Juntando tudo isso, não é de surpreender que não recebamos visitas frequentes de vida inteligente. Tampouco é claro que existe outras inteligências nesta galáxia, se bem que a ciência não pode eliminar essa possibilidade. Afinal, a ausência de evidência não é evidência de ausência, como dizia Carl Sagan. Sem dúvida. Mas, dado o que sa­bemos, parece que temos outros medos bem mais imediatos para nos preocupar.

* Professor de física e astronomia do Dartmouth College, nos EUA. É vencedor de dois prêmios Jabuti, e seu mais novo livro se chama Criação imperfeita.

Fonte: Revista Galileu

Postar um comentário
Assinar: Postar comentários (Atom)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...